Rafael Almeida

Crônica

In Uncategorized on Julho 28, 2009 at 5:39 pm

Bolacha doce.
Toda vez que tomo um ônibus, acontece. Viagens longas ou viagens curtas tanto faz é a mesma coisa. Sento-me sempre no banco da janela, coloco minha mala no outro banco ao lado, quando o ônibus não está cheio, pois odeio quando as pessoas que não usam desodorantes têm cheiro natural de cigarro, isso também me arrepia de decepção. Quando isso não me acontece respiro e penso. – Ufa! Estou com sorte, nenhuma criança agitada no ônibus nem suas mães que não as educam e que fazem de tudo para que essas crianças cresçam sem educação e com a alimentação descontrolada – É como se fosse lei, a lei de Murphy, eu penso nisso e acontece justamente o contrario, o alivio acaba quase antes de eu me ajeitar na poltrona. Entra a mãe e a avó* das crianças (que é uma das principais responsáveis pela má criação delas). Os rebeldezinhos já entram no meio de transporte pulando, como se fosse um pula-pula de rodas. A mãe grita, mas ninguém liga só os outros passageiros, um desses sou eu. Sentam em alguns minutos de pelejo, porém vem a pior parte. Aquele monte de bolachas recheadas e doces, que ao serem abertas exalam aquele fedor que pra quem não almoçou da mais fome e pra quem já fez pelo menos a primeira refeição do dia, tem a vontade de vomitá-la. O pior são as essências, o de baunilha que impregna no nosso nariz e não da pra tirar, fede mais do fumo de rolo, você passa a viagem toda com a cabeça fora da janela tentando sentir o cheiro de qualquer coisa, menos da baunilha. O de morango, um dos lideres em revirar o estomago e o pior que nem tem cheiro de morango, muito menos o gosto, acho que todo mundo sabe disso, e essas pessoas são enganadas pelos fabricantes, não sabem que o que estão comendo não tem o mínimo de vinculo com a fruta e por isso compram. O de côco então, nossa, parece tudo, menos côco. O odor nem se fale, amoníaco seria perfume perto desse “sabor”. A de milho verde – Uma dica importante – Se você não tomar banho após consumi-la é perigoso que fique com o cheiro e o gosto pra sempre, na roupa, no cabelo e em todas as partes do corpo que seja constituída por células. Tudo bem temos que ter uma relação social boa, somos civilizados, mas tem horas que me da vontade de ir para a Antártida conversar com os pingüins. Se ainda fosse só o cheiro acho que até conseguiria relevar, produto ruim, barato, feito em países de terceiro mundo com mão de obra tão barata quanto às próprias bolachas. O que não da pra agüentar é o barulho produzido quando se tira a bolacha do pacote. Já até sei quando é a ultima, sem olhar para o pacote do meu companheiro de viagem. As minhas contas são simples. Para consumir um pacote de 10 bolachas o cidadão leva 3 minutos e 45 segundos. Minha soma é a seguinte, cada bolacha leva um segundo a mais que a outra pra ser retirada. Ex. A primeira leva um segundo pra ser retirada, a quarta, 4 segundos, assim sucessivamente. Para mastigar, ele leva cerca de 30 segundos (quando não está com muita fome), pois a bolacha cola no céu da boca e nos dentes, e todo mundo faz isso, retira os resíduos da bolacha mastigada com a língua e engole. Então eu fico desesperado durante 3 minutos e 45 segundos por pacote consumido. Normalmente as minhas viagens são de 35 minutos, ou seja, 10% dela eu passo incomodado e ansioso para chegar logo ao meu destino. Depois, na volta me preparo, começa tudo de novo, tudo de novo…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: